Sem categoria

Halloween Feminista – Filmes de suspense/terror dirigidos por mulheres.

Oie! Aqui é a Laura do @podecriticar e hoje eu vim falar de um tema que eu amo: terror! Halloween está chegando e por isso outubro é o mês ideal para fazer aquela maratona de filmes assustadores. Porém, eu não vim aqui somente abordar histórias fictícias, mas também apontar para o horripilante fato de que em pleno 2020 é difícil de encontrar obras do gênero dirigidas por mulheres, sim! Historicamente, na indústria cinematográfica, como em tantas outras, os homens detiveram o poder nas produções e a participação feminina acabou por ser ou coibida ou invisibilizada, e isso se mantém até os dias atuais; uma amostra disso é a comparação da porcentagem entre filmes exibidos em festivais, premiados, dirigidos por homens contra a porcentagem feminina.

Assim, além da diversão que buscamos, podemos ser conscientes até mesmo em nosso consumo de filmes, conhecendo e prestigiando mulheres na direção! E para tal trouxe uma lista variada entre suspense e terror (para agradar desde quem gosta de algo mais “punk” até aqueles que preferem um thriller psicológico) toda dirigida por mulheres. Vamos às obras!

Relic (2020) Onde assistir: Torrent.

Diretora: Natalie Erika James.

Sinopse: Em Relic, quando a idosa Edna (Robyn Nevin) desaparece inexplicavelmente, sua filha Kay (Emily Mortimer) e sua neta Sam (Bella Heathcote) correm para a decadente casa de campo de sua família, encontrando pistas de sua crescente demência espalhadas. Depois que Edna retorna tão misteriosamente quanto desapareceu, a preocupação de Kay de que sua mãe parecesse relutante ou incapaz de dizer onde ela estava entra em conflito com o entusiasmo de Sam em ter sua avó de volta. Conforme o comportamento de Edna se torna cada vez mais volátil, as duas começam a sentir que uma presença insidiosa na casa pode estar assumindo o controle dela.

“Relic”, o mais recente da lista, é um suspense de atmosfera que vai criando, a conta gotas, o clima de tensão. Apesar de conter elementos de terror, a obra, quando analisada, revela profundas camadas sobre a perda e o envelhecer, se aproximando até mesmo de um drama psicológico. Claustrofóbico e enervante, “Relic”, diferente de grande parte do gênero, não somente cria e sustenta sua atmosfera, como possui profundidade e traz à reflexão o significado da “perda de si” e suas marcas em uma família.

Babadook (2014) Onde assistir: Torrent.

Diretora: Jennifer Kent.

Sinopse: Seis anos já se passaram desde a morte de seu marido, mas Amelia (Essie Davis) ainda não superou a trágica perda. Ela tem um filho pequeno, o rebelde Samuel (Noah Wiseman), e tem dificuldades para amá-lo. O garoto sonha diariamente com um monstro terrível e ao encontrar um livro chamado “The Babadok” reconhece imediatamente seu pesadelo. Certo de que Babadok deseja matá-lo, o menino começa a agir irracionalmente, para desespero de Amélia.

“Babadook” é facilmente o filme mais assustador da lista. Ao mesmo tempo que se encaixa no gênero terror, este consegue ainda ser um drama psicológico quando aprofundado. Isso porque o longa faz uso de metáforas para simbolizar problemas psicológicos, como a depressão, constituindo um dos filmes mais completos do gênero. Para quem gosta de ficar com medo e ainda refletir, essa é a pedida certa para o Halloween.

The Invitation (2015) Onde assistir: Netflix.

Diretora: Karyn Kusama.

Sinopse: Uma tragédia abala o casal formado por Will e Eden. Eles perdem o filho pequeno e, desolada, Eden vai embora sem dar notícias. Dois anos mais tarde, ela volta a procurar o marido, acompanhada de outro homem, e totalmente diferente de como era antes. Durante um jantar, com Will, Eden e o novo companheiro de sua esposa, Will começa a suspeitar que os visitantes têm planos sinistros contra ele.

“The Invitation”, assim como “Relic”, é um suspense que muito bem constrói a atmosfera de tensão. Enervante e misteriosa, considero a obra uma pérola escondida na Netflix, pois é ainda pouco conhecida, apesar de ser um dos melhores suspenses psicológicos, sem precisar de recursos fantasiosos para dar calafrios.

Raw (2016) Onde assistir: Torrent.

Diretora: Julia Ducournau.

Sinopse: Justine (Garance Marillier) é uma jovem tímida e vegetariana, caloura na mesma faculdade de veterinária em que estuda sua irmã, Alexia (Ella Rumpf). Durante o trote, a menina é forçada a comer carne animal pela primeira vez e a ação provoca mudanças extremas em sua vida.

Como prometido que essa lista teria filmes para todos os gostos, temos aqui um filme gore; subgênero sangrento do terror. Só que, assim como os filmes citados anteriormente, o interessante de “Raw” é que ao mesmo tempo que tende para o gore, tem muito do suspense psicológico; com uma pegada de “Relic” também com a narrativa de hereditariedade. Um longa para quem quer começar a se aprofundarb no subgênero.

XX (2017) Onde assistir: Torrent.

Diretoras: Karyn Kusama/ Jovanka Vuckovik/ Roxanne Benjamin/ St. Vincent.

Sinopse: Uma antologia de contos horror estrelados por mulheres e dirigidos por Annie Clark (The Birthday Party), Karyn Kusama (Her Only Living Son), Roxanne Benjamin (Don’t Fall) e Jovanka Vuckovic (The Box).

“XX” é uma obra que merece muito mais reconhecimento, pois, além de sinistro, reúne quatro histórias diferentes, cada uma relacionada ao terror e ao feminino, sendo todas elas dirigidas por diretoras. A junção do terror/suspense com uma pegada feminista faz dessa antologia necessária para quem quiser conhecer mais mulheres nas produções do gênero.

Espero que tenham gostado dessa pequena seleção que fiz para celebrar uma das minhas datas preferidas do ano, e espero que no ano que vem seja muito mais fácil montar uma listinha cheia de diretoras incríveis!

Até a próxima, e bom Halloween!

3 thoughts on “Halloween Feminista – Filmes de suspense/terror dirigidos por mulheres.

  1. This part of writing will assist the net users for developing
    new weblog or perhaps a blog from commence to end.

    My web blog coin pouch insert for filofax pocket holborn black

  2. TyroneNem disse:

    The pattern circumstance I byword Gail Dines speak, at a talk in Boston, she moved the audience to tears with her characterization of the problems caused nearby dirt, and provoked laughter with her intelligent observations upon pornographers themselves. Activists in the audience were newly inspired, and men at the end – uncountable of whom had not viewed smut as a disturbed first – queued up afterwards to guaranty their support. The display highlighted Dines’s iffy charisma and the factually that, since the expiry of Andrea Dworkin, she has risen to that most difficult and exciting of conspicuous roles: the community’s foremost anti-pornography campaigner.

    breast-bondage

  3. ValRMalehorn disse:

    Hi there very cool site!! Man .. Beautiful .. Wonderful
    .. I’ll bookmark your web site and take the feeds additionally?
    I am happy to find numerous helpful information right here in the put up, we’d
    like work out more strategies on this regard, thanks for sharing.
    . . . . .

    Also visit my web site; ValRMalehorn

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado.